Publicado por: alexandra | abril 14, 2010

Sarmatianas – um pouco de História

Guerreiras Iranianas Antigas - Aquarela de Shapour Suren-Pahlan

"Guerreiras Iranianas Antigas", aquarela de Shapour Suren-Pahlan.

Sabemos que as Amazonas tiveram várias rainhas na capital de sua nação, Temíscera, e que – depois que Héracles foi atrás do cinturão e capturou Hipólita que se casou com Teseu – as Amazonas retalharam atacando Atenas com um grande exército, o que gerou baixas dos dois lados, mas no final os gregos venceram. Em alguns relatos, elas também teriam lutado contra os gregos na Guerra de Tróia, pois há manuscritos antigos que acrescentam um verso à Ilíada dizendo que as Amazonas sob o governo da rainha Pentesiléia chegaram para apoiar os troianos. Mas pouco se fala do que aconteceu quando elas se livraram dos atenienses.

Heródoto relata que depois da vitória grega em Temíscera, os gregos encheram três navios só de amazonas capturadas, na volta para Atenas, mas elas teriam sobrepujado os gregos e (em vez de navegar os navios) desceram a pé o litoral no território dos citas. Ao encontrar ali alguns cavalos, montaram à procura de alguma pilhagem e os citas começaram a batalhar com elas, mas depois teriam ficado surpresos ao descobrirem que se tratavam de mulheres. Os citas então cortejaram-nas e, por se tratarem de uma tribo equestre e caçadora e também saqueadora, os citas eram bons pares para elas, e eles então tiveram filhos. Ainda assim, as Amazonas se recusaram a se acomodar num lar com os citas, que eram uma tribo onde – ainda segundo Heródoto – as mulheres ficavam em casa (ou melhor, nas carroças), se ocupando de “tarefas femininas”. Em vez disso, elas convidaram seus novos parceiros a ir embora com elas para um novo lugar, e fo iassim que o povo sarmatiano (Sármatas) teria surgido. Para Heródoto, esse relato é que explica por que as mulheres sarmatianas saem “atrás da caça montadas em cavalos às vezes com e às vezes sem seus companheiros homens, tomando parte na guerra e usando o mesmo tipo de roupas que os homens” e por que elas “têm uma lei de casamento que proíbe uma menina de se casar até ter matado um inimigo em batalha”. Hipócrates também fala dos Sármatas.

Ao descrever fisicamente os sármatas, Heródoto diz que eles eram louros, vigorosos e bronzeados.

Em uma escavação de 2003 nos sítios sármatas, feita pela Dra. Jeanine Davis-Kimbal, encontrou-se uma tumba com guerreiras enterradas e, quando ela e o Dr. Joachim Burger compararam as evidências com o sítio dos nômades cazaques, descobriram que havia uma forte ligação genética, comprovada depois pela Universidade de Cambridge.

O dialeto dos sármatas são semelhantes aos de línguas iranianas faladas hoje pelos ossetos do Cáucaso, que são provavelmente os modernos representantes dos sármatas e que estariam ligados aos alanos, que eram uma das divisões das tribos sármatas. A Ossétia do Norte pertence à Rússia e a do Sul acabou (em 2008) de se tornar independente da República da Geórgia. Além de Rússia e Geórgia, o osseto também é falado em partes da Turquia. Quando os hunos destruíram os alanos, alguns se juntaram a outras tribos, mas os que ficaram no nordeste do Cáucaso passaram a se chamar de Tártaros.

Com relação à religião dos sármatas, eles eram nômades e formavam clãs de culto tribal na época que veio antes do Zoroastrismo iraniano. Os deuses eram personificados: o céu, a terra, o fogo. Os deuses que pertenciam a conceitos sociais eram os do fogo doméstico e da guerra. A evidência de práticas de culto com o fogo aparece pelo fato de se haver encontrado carvão e cinzas junto a cemitérios. Os nômades dos estepes Urais e da região do Volga teriam um dia avançado para o oeste e entrado em contato com os centros de comércio grego, bem como com a agricultura e indústria gregas.

Então, no fim das contas, por mais nômades que sempre tenhamos sido, acabamos um dia passando ou parando “em casa”…


Responses

  1. Muito informativo, obrigada.

  2. Muito interessante. Além dessa narrativa do Heródoto, existe algo mais que ligue diretamente assim os Citas e os Sármatas? Nunca estudei os dois povos além da superfície, só sei que ambos eram povos de cavaleiros guerreiros nômades, que viveram na mesma época e em locais proximos. Exatamente por isso, estou buscando detalhes…

  3. Oi, Mandos!😀

    Sim, o território dos Sármatas era na parte oriental da Cítia, ou seja, ali próximo ao Danúbio, o Volga, e os mares Negro e Cáspio, pegando também o Cáucaso ao sul.

    Heródoto fala dos Sármatas em “Histórias” 4, Hipócrates em “De Aere aquis et locis” 24, Strabo em vários textos (chamando-os tanto de Sarmatai quanto de Sauromatai, e sem diferenciar Citas e Sarmatianos), Plínio o Velho em “História Natural” 4, Tácito fala deles em “De Origine et situ Germanorum”, Ptolomeu em “Geografia”, Pausânias em “Descrição da Grécia” 1, e Ammianus Marcellinus em “Res Gestae Libri” 29.

    Hipócrates os elenca como se fossem Citas mesmo, Strabo pareia Citas e Sarmatianos sem diferenciá-los, Plínio diz que os Sármatas vieram dos Citas (ele considera que a Sarmatia seria uma parte dos territórios dos Citas), Tácito só comenta sobre os sármatas e os germanos que um tinha “medo” do outro, Ptolomeu fala como se a tribo dos Sármatas fosse a que ficou no lugar dos Citas (seriam os mesmos, mas com novos nomes), Pausânias fala sobre a descoberta de uma oferta votiva (um peitoral de armadura sármata) na acrópole ateniense, e Marcelino fala dos sármatas que quase destruiram duas legiões romanas.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: