Publicado por: alexandra | setembro 3, 2011

Kharisteria e Amazonamaquia

Artemis SalvadoraBoedromion 6 (pôr-do-sol de sábado 3 para domingo 4 de setembro de 2011) – Hoje é um dia tanto de festa quanto de lamentações. Festa porque, após a vitória ateniense na Maratona, o festival para Artemis Agrotera (a Caçadora) passou a se chamar Kharisteria (Ação de Graças). Lamentações porque foi também neste dia que aconteceu a Amazonamaquia, quando Teseu derrotou as amazonas na batalha da Ática. Daqui a um mês será o Orkomosion (dia do juramento), o sacrifício que as amazonas faziam antes da festividade da Theseia, quando assinaram um tratado de paz com Teseu.

Portanto, é hora de lembrarmos quem eram essas guerreiras cuja perda lamentamos hoje. Eis algumas:

Aello (furacão, vendaval) – lutadora fatal, portava um machado de lâmina dupla (labrys), foi a primeira das nove que atacaram Héracles no corpo-a-corpo quando irrompeu a guerra. Héracles usava a pele de leão que o tornava invulnerável e matou a todas. Depois que a nona guerreira a combater individualmente morreu, as amazonas atacaram em grupo e força.

Ainia (velocidade, rapidez) – uma das seguidoras de Pentesileia que lutou com a rainha em Tróia contra Aquiles.

Alcipe (poderosa égua) – a última das nove a combater Héracles.

Andrômaca (lutadora/matadora de homens) – grande e famosa rainha que estava no grupo que combateu Héracles.

Antíope (olhos virados) – a única amazona que se casou. Ela foi capturada por Héracles e levada até Atenas onde se apaixonou e casou-se com Teseu, o rei, de quem teve um filho que chamou de Hipólito em homenagem à sua irmã amazona Hipólita. Quando as amazonas atacaram Atenas, ela lutou do lado de Atenas e foi morta pela amazona Molpadia. Outras versões dizem Teseu quis se casar com outra e ela atacou os noivos no dia do novo casamento, sendo necessário Teseu e Héracles com um exército para conseguir matá-la.

Hipo (cavalo) – famosa rainha que ajudou a fundar as cidades de Éfesos, Smirna, Cirene e Mirina, tendo conquistado a Ásia Menor e a Síria e estabelecido uma estátua de Ártemis em madeira perto de uma árvore de faia em Éfesos. As amazonas iam até lá para fazer rituais como a dança do escudo, batendo no chão em uníssono, acompanhadas por flautas que tocavam uma melodia selvagem e bélica.

Hipólita (libertadora dos cavalos) – Hipólita era a mais famosa das amazonas, talvez até mais que Pentesileia. Era filha do deus Ares com a amazona Otrera. Ela se apaixonou por Héracles quando ele veio tomar o cinturão dourado das amazonas, mas – como a tribo atacaou – ele achou que foi por ordem dela e a matou para pegar o cinturão e foi embora.

Lísipe (a que solta os cavalos) – rainha amazona que teve um filho chamado Tanais, o qual era devotado à guerra e desdenhava o casamento. Afrodite então teria o feito se apaixonar pela mãe e, incapaz de lidar com isso, ele teria se jogado num rio e se afogado. Lísipe então se enterrou no trabalho para esquecer sua dor. Ela fundou a capital das amazonas, Temíscera, consolidando a nação e construindo muitos templos para Ártemis (nenhum para Afrodite). Ela era bem uma general notável, estabeleceu as políticas das amazonas e foi a primeira a liderar uma força de ataque com cavalaria.

Marpésia – rainha militar que contribuiu para o nome e império das amazonas. Ela tomou sozinha a Trácia e a Síria e basicamente tudo o que ficava no caminho até o Mar Egeu. Ela iria parar, mas uma rebelião numa terra conquistada a fez voltar para a batalha e ela morreu lutando. Sua filha se chamava Oríthia.

Molpádia (canção de morte) – um modelo de guerreira amazona, era esperta, veloz e corajosa. Ela foi com o exército amazona até Atenas resgatar Antíope e foi uma das únicas capazes de se infiltrar no castelo. Ela encontrou Antíope e tentou resgatá-la, mas como esta não quis ir, Molpádia jogou sua lança nela e a matou, sendo em seguida morta por Teseu. Ambas foram enterradas perto de um templo a Gaia.

Oríthia – filha da rainha Marpésia, herdou sua posição e foi logo tratar de trabalhar. Criou uma aliança com o rei da Cítia, o qual enviou se filho e um exército e juntos eles destruíram os bárbaros asiáticos que mataram Marpésia. Dizem que ela foi raptada pelo vento norte Doreas, de quem teve duas filhas, Chione e Cleopatra (não a do Egito), e dois filhos, Calais e Zetes, que se tornaram argonautas.

Otrera – a mais antiga e original Deusa das Amazonas. Quando começou o patriarcado dos deuses celestes, ela se tornou a mãe (através de Ares) da Nação Amazona, ou seja, das primeiras rainhas: Hipólita, Antíope, Lísipe e Melanipe.

Pentesiléia (a que compele os homens a lamentar) – uma das maiores guerreiras amazonas e também uma heroína pelos padrões gregos. Filha de Ares e Orítia, tinha muita habilidade com armas e batalhas. Era conhecida por sua sabedoria. Durante uma caça, matou acidentalmente uma irmã, Hipólita II (segunda) e, em dor, deixou a tribo para lutar na Guerra de Tróia. Doze guerreiras a seguiram até Tróia e mataram muitos gregos. Fatal por conta de ser filha de quem era, ela só morreu porque lutou com o “invencível” Aquiles em combate corpo-a-corpo. Aquiles lamentou quando arrancou o elmo e viu quem ele tinha matado, “fazendo amor” com o cadáver, segundo se conta. Quando um dos seus companheiros disseram que isso era abominável, Aquiles o matou.

Thalestris (despojadora, espoliadora) – lendária rainha amazona do ano 320 AEC. Ela era a melhor das melhores e sabia disso, assim como sabia que Alexandre O Grande era o melhor dos melhores e imaginou que uma filha dos dois seria ainda maior e traria um grande respeito para a nação amazona. Então ela foi com o exército a reboque até Alexandre explicar seu plano. Ele concordou com a condição de que ele ficasse com os filhos homens. Por 13 dias eles passaram o tempo inteiro juntos, caçando e fazendo sexo. Ela voltou para Temíscera e esperou os resultados, que nunca vieram. Quando morreu, portanto, Thalestris não deixou nenhuma criança nem um real legado.

Phillipis, Prothoe, Eriobea, Deianeira, Asteria, Marpe, Tecmessa – as outras sete a combater Héracles, em ordem da segunda para a oitava.

₪ Ainia, Alcíbie, Antrande (a que vai atrás dos homens), Antíbrote, Bremusa (fêmea feroz), Derimacheia, Derinoe, Harmothoe (unha afiada), Hipothoe (égua imperiosa), Polemusa, Thermodosa, Clete (a invocada) – as doze que seguiram Pentesiléia até Tróia. Clete na verdade tentou se juntar a elas, mas em vez disso fundou uma cidade na Itália.

(Fonte principal: http://www.paleothea.com/amazons.html)

Se você quiser conhecer mais amazonas, há uma lista maior delas em inglês aqui: Brave Women Warriors of Greek Myth .

 


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: